domingo, 16 de dezembro de 2012

Cenas da Vida Conjugal - O Filme


Depois de ter visto a adaptação para teatro do filme (e série) de Ingmar Bergman, consegui ver finalmente o filme Cenas da Vida Conjugal (Scener ur ett äktenskap, 1975 – a série é de 1973).
E a marca de qualidade de Bergman nota-se logo, pela forma “quotidiana” como são filmados os diálogos de um casal cujo casamento parecia (aparentemente) perfeito. Cenas da Vida Conjugal questiona no que se transforma a relação entre um homem e uma mulher, Johan e Marianne, no modo como o que sentem um pelo outro, seja amor, amizade, carinho ou o que quer que seja, vai ditando o desenrolar da relação.
A natureza de uma vida a dois, se é suposto um homem e uma mulher viverem juntos uma vida, se é normal que o sentem um pelo outro é suficiente para os manter juntos toda uma vida, se faz sentido questionar a natureza da relação em cada momento, o que os aproxima, e como se manifestam todos esses sentimentos.
Erland Josephson é muito bom actor, mas Liv Ullman enche o ecrã com uma interpretação brilhante. Não consigo deixar de comparar este filme com a adaptação que vi no D. Maria II, e devo dizer que, embora tenha gostado da peça, a “gritaria latina” na qual assentava boa parte da peça não condiz com nem com a frieza nórdica no modo de encarar as relações nem com o liberalismo com que as mesmas eram vividas na Suécia.
Apesar de tudo, de toda a forma progressista como as sociedades nórdicas olham para as relações humanas, a série (e depois o filme) foi um choque para a sociedade do país quando os 6 episódios passaram na televisão sueca, o que mostra o quão à frente do seu tempo estava Bergman. Mais: para além de mostrar uma atenção muito perspicaz face aos detalhes do quotidiano de uma relação (é impossível não haver pelo menos um episódio da vida de Johan e Marianne com o qual não nos identifiquemos), Bergman consegue extrair o melhor de cada actor (como alguns treinadores conseguem fazer com os seus jogadores), e para atingir isto, é necessário saber-se exactamente o que se quer, saber transmiti-lo e saber levar os actores a fazerem-no.

Foi o segundo filme que vi da fase mais “madura” de Bergman (isto se A Vergonha (Skammen, 1968) for incluído nesta fase mais "estabelecida") e começo a considerar Bergman um dos grandes nomes do Cinema, embora neste caso, cinco filmes seja ainda um número insuficiente para cimentar esta posição.
O próximo será com toda a certeza Saraband (Saraband, 2003), a continuação deste Cenas da VIda Conjugal e último filme de Bergman. 

Sem comentários:

Os Taxistas do Zêzere

O sol é diferente a cada manhã quando se cruza no caminho que diariamente percorro para o trabalho ao longo da marginal. E mesmo nos dias e...