terça-feira, 13 de agosto de 2013

2455 – Cela da Morte (crónica sobre um livro ainda não lido)


Creio já ter referido ter uma “paixão” (pese a força da palavra neste contexto) por histórias de crimes reais, psicopatas, serial killers, e afins. Não por ter algum distúrbio (pelo menos quero acreditar nisso, mas um psicopata nega quase sempre ter um distúrbio mental). 

Há mais de um ano (não sei precisar quando), tive conhecimento da história de Caryl Chessman, condenado à pena capital e executado 12 anos depois, após sucessivos adiamentos e alegando a sua inocência até ao fim. Tendo dado entrada na prisão de St. Quentin a 3 de Julho de 1948, Chessman travou uma longa e mediática batalha jurídica com as autoridades norte-americanas, que teve o seu desfecho a 2 de Maio de 1960, dia da sua execução. Do pouco que li sobre o caso, não tenho pretensões a acreditar na inocência de Chessman: pelo contrário, creio neste momento na sua culpabilidade. Mas o que me interessa neste caso são duas questões: tentar ver a forma como um psicopata expõe o seu caso e olhar para este caso como aquilo que ele realmente é: um debate sobre a pena de morte (muito mais do que sobre a inocência ou culpabilidade de Chessman). 2455 – Cela da Morte foi o primeiro livro que Chessman escreveu sobre o seu caso (escreveu três livros em que descreve a sua batalha jurídica e uma obra de ficção durante os 12 anos em que esteve no corredor da morte). 

Procurei em livrarias, alfarrabistas, na internet, na Feira do Livro e a situação era sempre a mesma: indisponível. Há umas duas semanas, quando ia para um jantar cujo ponto de encontro era no topo do elevador da Bica, passei por um alfarrabista na Calçada do Combro: claro que parei para ver a montra, apesar do estabelecimento estar já fechado àquela hora: para além da obra completa de Stephan Zweig (diria eu) e de uns quantos autores russos (já não lidos em Portugal), e de umas edições antigas de algumas obras de Eça de Queiroz, estavam expostos alguns livros da colecção de bolso da Europa-América, a 50 cêntimos cada! Vi alguns conhecidos (como Goodbye Mr. Chips de James Hilton, do qual penso já ter escrito aqui qualquer coisa), e vi o número 2455 numa lombada! Nem queria acreditar. Sem pressas (porque sabia que ninguém iria comprar aquele livro), voltei lá uma semana depois para o ir buscar (paguei tanto de parquímetro como pelo livro). 

Talvez chegue ao final deste livro e aí, talvez me apeteça escrever mais alguma coisa sobre ele. Para já fica apenas a expectativa sobre mais um documento do século XX, um livro que passou de moda mas cujo tema, infelizmente, continua muito actual.

Sem comentários:

A Feira

Descobri recentemente mais um motivo pelo qual gosto tanto de feiras. Não das feiras onde se negoceia roupa contrafeita e toda a espécie de...